terça-feira, 23 de março de 2010

Nossos filhos são do Mundo

Minha amiga Fabíola me enviou este texto por e-mail.


Para pensar e ir se acostumando com a ideia.







"Devemos criar os filhos para o mundo. Torná-los autônomos, libertos,
até de nossas ordens. A partir de certa idade, só valem conselhos.
Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna
adulto aquele bebê que um dia levamos na barriga. E a maioria de nós
pais acredita e tenta fazer isso. O que não nos impede de sofrer
quando fazem escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando
eles próprios sofrem pelas escolhas que recomendamos.

Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de
como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores
defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter
coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que
alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente
da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão
amado.

Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo!
Então, de quem são nossos filhos? Eu acredito que são de Deus, mas com
respeito aos ateus digamos que são deles próprios, donos de suas
vidas, porém, um tempo precisaram ser dependentes dos pais para
crescerem, biológica, sociológica, psicológica e emocionalmente.

E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento? Não
deveriam retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice?
Pensar assim é entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam,
são do mundo!

Três dias na cobertura da tragédia no último reveillon, na pousada Sankay,
em Angra dos Reis, em olhos grudados
em fotos, tevê e internet, vozes chorosas de mães e tios ao telefone
me fizeram pensar nessa dor gigantesca que deve ser para um ser humano
devolver o que mais amou nessa vida, mas nunca foi seu! E,
principalmente, me fez entender que mais do que corajosos, nós, pais,
somos loucos por correr o risco de amar tanto sem garantias.

Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para
os fllhos, olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não
fossem apenas empréstimo! Mas é. Eles são do mundo. O problema é que o
meu coração já é deles."


Autor desconhecido ( mas concluo que deve ser de algum jornalista!)

Nenhum comentário: