sexta-feira, 16 de abril de 2010

33 Semanas

Nesta altura do campeonato, fazendo repouso, quase sem sair de casa, onde o termo "esperando bebê" está sendo seguido ao pé da letra, é impossível não entrarmos numa verdadeira contagem regressiva. Cada dia é um dia a mais, um ganho para os bebês, mas uma ansiedade imensa para minha nada plácida pessoa.

A barriga imensa já está incomodando MUITO! Qualquer mexida para cá ou para lá me faz sentir umas dores esquisitas, eu fico pensando se não seriam contrações...coisas de marinheira de primeira viagem, ?

Não consigo dormir muitas horas seguidas e acho até que isto é um preparo sábio da natureza para o que está por vir...

Ontem fui fazer o que imagino ser o último ultrasom. Os bebês estão bem grandinhos e o médico vai passando tudo muito rápido o que para leigos é difícil acompanhar e ver as partes do bebê. É preciso um bocado de imaginação...hehehe. O que interessa é que os bebês estão bem, tudo dentro do padrão de normalidade.

O Otávio está com um peso estimado de 1.980g e a Paulinha com 1640g. Pelas medidas ele é um pouco maior, por isto mais pesado. Ambos estão em posição cefálica, ou seja, de cabeça para baixo, mas a Paulinha está mais baixa, por isto é a que vai nascer primeiro.

Também fiz o que imagino ser os últimos exames: Urocultura sem crescimento bacteriano; Cultura seletiva para Streptococcus do grupo B negativo; VDRL e HIV negativos e hemograma "quase" normal, não fosse por uma pequena baixa de contagem de hemácias. Já estou tomando o polivitamínico Damater 2 vezes por dia, mas vou intensificar o consumo de feijão, beterraba e fígado mal passado. Ainda bem que como tudo isto sem sacrifício algum!

Falta muito pouco agora. O berço, me prometeram que chega hoje. Na segunda-feira, vamos arrumar o quartinho com cada coisa em seu lugar. Na segunda também termino de arrumar as malas da maternidade.

Aí é só passar o tempo tentando adquirir mais um pouquinho de conhecimento.

Este aí é outro livro que minha amiga Carol me emprestou e comecei a ler ontem:


Frequentemente me pego pensando que estas duas criaturinhas que anseio tanto em conhecer logo, mudarão minha vida para sempre. Nada é tão definitivo e transformador como ter um filho. Apesar da minha aparente tranquilidade não vou negar que sinto uma mistura de alegria e medo. Medo daquilo que não conheço, de não saber o que fazer ou como fazer, de errar mais que o permitido ( se é que mãe erra!)...

Tudo será diferente de tudo que me acostumei nestes meus 37 anos de vida!

E fico pensando: como será minha vida de agora em diante? Que tipo de mãe eu vou ser?




Partindo da máxima de que quando nasce um bebê nasce também uma mãe, me acalmo respondendo a mim mesma: serei a melhor mãe que eu puder ser.

Um comentário:

isabele elebasi disse...

Tia...mesmo que vc tenha medo, tem a coragem do seu lado. Somada ao amor materno que é incondicional, tenho certeza que por isso tudo fará o seu melhor como mãe!
E eu acredito q vc será uma mãe pra lá de descolada....quero até ver vc com seus pimpolhos..transmitindo esse jeitinho Silvinha seu de ser...kkk...algumas coisas, tenho certeza tb: suas crinaças vão ser curiosas, vão gostar de boa música e ñ vão ter cabelo naturalmente liso..kkk...é claro q pra Paulinha isso ñ será problema, afinal, ela nascerá numa época com altos recusrsos nesse área né?!
Bjo grande pra vcSSS...fiquem sempre com Deus^^